Apoio Mútuo

Mudanças sérias precisam acontecer

Autor: mundochixi Page 2 of 4

Ações de Solidariedade Mulheres Negras, periféricas, pobres (Fórum de Mulheres de Pernambuco, Recife, PE)

Nós que construímos o Fórum de Mulheres de Pernambuco tomamos a solidariedade como parte de nossa prática política feminista! Entendemos que fazemos a luta em condições desiguais de vida, determinadas pelas relações de classe, racismo e vivência sexual. Além disso, enfrentamos os ataques machistas em condições desiguais também.

Na pandemia da Covid-19 não seria diferente.Por isso, desde 18 de março reforçamos nossa rede de solidariedade e apoio mútuo. Nosso objetivo é que as mais de 300 famílias de nossas militantes atravessem sãs e salvas esta pandemia. Para isto, estamos somando esforços para garantir informação acessível e de qualidade, isolamento social e doméstico dignos para nossas companheiras.

Afinal, o corpo e coração de cada uma é necessário para seguirmos em luta.Entendemos que ser parte de uma articulação feminista nacional e estar há 30 anos na luta feminista nos permitiu maior acúmulo na capacidade para captação de recursos que outros coletivos e grupos menores. Portanto, ampliamos a rede solidária na intenção de apoiar outros coletivos parceiras do FMPE. Seguiremos vivas e ativas na luta política! Por nós e pelas outras! Mas seguiremos ainda melhor e mais fortes com sua doação. Contribua até 30 de abril!

https://www.vakinha.com.br/vaquinha/acoes-de-solidariedade-do-forum-de-mulheres-de-pernambuco

Apoie os povos do Território Indígena do Xingu

Campanha organizada pela ATIX-Mulher para arrecadar fundos para entregar cestas e produtos de limpeza para 875 famílias indígenas, isoladas nas 114 aldeias do Xingu.

A ATIX-Mulher é o setor de atenção a causa da mulher xinguana, que tem como sua base de apoio O Movimento de Mulheres do Xingu (TIX) e representa os 16 povos indígenas do Território Indígena do Xingu-TIX (Kalapalo, Kuikuro, Mehinako, Yawalapiti, Waurá, Yudjá, Kisedjê, Kawaiwete, Ikpeng, Kamayurá, Aweti, Matipu, Trumai, Matipu, Tapayuna e Naruvoto), uma população estimada em 8 mil pessoas no território localizado ao norte do Estado de Mato Grosso, próximo à divisa com Estado do Pará.

Hoje, nossas comunidades se isolaram em suas aldeias para se protegerem, com a memória do extermínio de muitos povos do Território Indígena do Xingu, que foram vítimas do contágio por doenças como a COVID-19 em um passado próximo. Extermínio de novo, não!

Em isolamento e com medo, nossas comunidades não podem ir as cidades para adquirir materiais básicos para o seu cotidiano. Suas poucas reservas de alguns materiais e produtos estão se esgotando. Precisamos de apoio.

Acesse: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/apoie-os-povos-do-territorio-indigena-do-xingu-contra-a-covid-19

É profissional de psicologia? Quer ajudar as famílias das pessoas presas? (Rede de Proteção e Resistência Contra o Genocídio, São Paulo, SP)

A Rede de Proteção e Resistência Contra o Genocídio é uma rede em defesa da vida, contra a violência de estado, articulada por diversos movimentos sociais, profissionais e moradores em busca de Proteção e Resistência ao Genocídio nos territórios periféricos do estado de São Paulo.

A Rede de proteção e resistência ao Genocídio junto com a associação Amparar (Associação de familiares e amigos de presos/as) criaram um grupo de psicolog@s que estão atendendo online os familiares de presos e presas. Se você quer se juntar nesta luta só enviar uma mensagem inbox em nossa página com seu contato.

https://www.facebook.com/RedeContraoGenocidio/

Ajude a levar kits de higiene e limpeza para mulheres encarceradas (Liberta Elas, Recife, PE)

Com a chegada do novo coronavírus, estamos vendo diariamente pessoas adoecendo e morrendo. A experiência de outros países e das agências de saúde nacionais e internacionais mostra que a diminuição do contato entre as pessoas e a higiene pessoal é a medida mais eficaz de prevenção. Mas paras as mais de 800 mil pessoas encarceradas no Brasil, esse cenário torna-se ainda mais perverso. Essas pessoas encontram-se em unidades prisionais insalubres, superlotadas e com condições mínimas de higiene.

A situação é tão extrema que as pessoas presas têm trinta vezes mais chances de desenvolver tuberculose do que as pessoas em liberdade. Assim, o Covid-19 encontra nas prisões um terreno muito propício para fazer vítimas fatais rapidamente. 

Para agravar a situação, em Pernambuco, as visitas de familiares aos parentes no cárcere foram canceladas temporariamente. Sabemos que são essas famílias que garantem suporte material, psicológico e emocional da população carcerária por meio de produtos de higiene, alimentos e afeto que levam em suas visitas. A ausência de contato com seus familiares torna a vida das pessoas no cárcere ainda mais precária e vulnerável ao adoecimento.

Apesar de nos posicionarmos pelo desencarceramento como medida efetiva de prevenção ao coronavírus, a lógica punitivista e encarceradora do poder judiciário se mostra resistente à libertação de pessoas presas mesmo diante de uma pandemia. Nesse sentido, preocupadas com a saúde e a vida das mulheres encarceradas, essa vakinha tem como meta fornecer um kit de higiene pessoal e de limpeza para cada uma das 411 mulheres que se encontram na Colônia Penal Feminina de Abreu e Lima – CPFAL.

A pandemia tem demonstrado muito fortemente que a saúde da outra pessoa também é nossa saúde. A saúde das mulheres que estão aprisionadas também faz parte da nossa saúde coletiva. Ajudá-las a ter condições de enfrentar essa pandemia é dever do Estado, de cada um/uma de nós, além de ser um direito constitucional. Abandoná-las, agora, seria condená-las também a uma pena de morte.

Garantindo o direito à saúde das mulheres encarceradas

Nosso objetivo com esta Vakinha é proporcionar kits de limpeza e higiene pessoal para 411 mulheres que atualmente se encontram na Colônia Penal Feminina de Abreu e Lima (CPFAL), apoiando assim na garantia do direito humano à saúde e à vida das mulheres encarceradas. 

O que cada kit contém? 

Kit de limpeza

  • Sabão amarelo
  • Água Sanitária
  • Desinfetante

Kit de higiene

  • Absorvente
  • Sabonete
  • Shampoo 
  • Condicionador 
  • Pasta dentes
  • Escova de dentes

Incidência Política

Entendendo que o Estado tem a obrigação constitucional de garantir a dignidade humana, sem qualquer discriminação, e que a constituição brasileira proíbe as penas cruéis e garante o direito à saúde, o coletivo Liberta Elas em articulação com diversas organizações da sociedade civil vem incidindo junto aos poderes executivo, legislativo e judiciário pela aprovação de uma série de medidas emergenciais necessária para diminuir o alastramento do COVID-19 dentro das unidades prisionais e garantir a dignidade da população no tocante à saúde.

Sobre o Liberta Elas

O Liberta Elas surge no primeiro semestre de 2018, na cidade de Recife, Nordeste do Brasil. Hoje, somos um coletivo de mulheres feminista interseccional,  antirracista, anti-punitivista e abolicionista penal. Nosso foco é estabelecer trocas de afetos, proporcionar momentos de acolhimento e diálogo entre mulheres,  além da defesa dos direitos daquelas que se encontram sob custódia do Estado. Compreendemos que a justiça brasileira é racista, classista, sexista e LGBTfóbica e que  as mulheres inseridas no sistema prisional são julgadas com mais rigor porque são, em sua maioria negras, jovens, sem emprego e/ou educação formal e moradoras de periferias.  Lutamos para que todas as mulhere sejam livres e que seus direitos sejam respeitados. Liberta Elas!

https://www.vakinha.com.br/vaquinha/nossa-sentenca-nao-e-a-morte-saude-nas-prisoes-tambem-importa

[Passo a passo] Não seja babaca no supermercado

Escrevemos este pequeno manual passo a passo para manter a arrogância longe do supermercado, pois muitas pessoas precisam fazer compras e manter o mínimo de convivencialidade nesse espaço que é absolutamente necessário para todas nós.

Você não é dono do mundo.
Por sinal, o mundo acabou, fera.
De um jeito ou de outro ele acabou.

Então não vá deixar solto o babaca que existe dentro de você. Só um babaca acha que pode sair por aí fazendo o que bem entende. Claro que não! Então, quando for possível, vamos tentar usar o cérebro.

Planeje suas compras, faça uma lista dos itens que você e as pessoas que dividem a moradia precisam, pergunte a cada uma delas sobre as necessidades básicas e verifiquem juntos quais são os produtos necessários para o intervalo das compras.

Estamos em meio a uma emergência global, não é o momento de manter o mesmo estilo de vida e preferências por marcas e o supermercado mais perto da sua moradia é a opção mais adequada do que ir naquele que se parece com um shopping.

Antes de sair da moradia

  • Não leve crianças ao supermercado, muito menos durante uma pandemia;
  • Não faça estoques! Não vai adiantar, amiguinho. O mundo acabou, lembra?
  • Compre somente o que é realmente necessário;
  • Verifique se está tudo certo com o seu cartão, qual o saldo disponível, isto diminui o tempo de contato, além de ser muito chato chegar no caixa e ter uma pessoa na sua frente que não sabe sequer onde está o cartão;
  • Não tossir ou espirrar nas pessoas sempre foi algo bacana, se estiver com sintomas de COVID-19, procure uma unidade de saúde, não um supermercado;

Ao chegar no supermercado

  • Aglomerou? Volte outra hora;
  • Lembre-se de usar máscaras e higienizar as mãos com álcool gel;
  • Permaneça o menor tempo possível dentro do mercado;
  • A empresa não fornece EPI’s aos trabalhadores e trabalhadoras? Procure outro supermercado que se preocupe com as pessoas;
  • As pessoas estão expondo suas vidas para manter o funcionamento do mercado. Lembre-se sempre disto, seja gentil com quem está trabalhando para você ficar em casa;
  • Lembre-se também que as pessoas que estão ali trabalhando tem família e precisam manter o emprego (o medo delas é tão grande quando o seu, mas a possibilidade de isolamento não);

Durante as compras

  • Converse o mínimo necessário;
  • Compre somente aquilo que você conseguirá carregar;
  • Não ter nada para fazer ou estar entediado não é motivo para ir ao supermercado. Leia rótulos de shampoo no banheiro de sua casa (ou um livro pode ser uma boa pedida);
  • Se você precisa de informação, certifique-se de pedir auxílio para alguém que trabalha no supermercado, não para a pessoa mais próxima;
  • Não fique tocando em tudo o que topar pela frente, isto reduz tua permanência, e portanto, os riscos. Tenha certeza de que é necessário tocar para escolher.
  • Talvez um produto em promoção pela metade do preço não seja necessário na sua casa;
  • Reflita se energético ou cerveja artesanal devem mesmo estar no seu carrinho (com a grana dessas bobagens rendem duas quentinhas para quem precisa);

Na hora de pagar

  • Se você nunca usou um self-checkout, não utilize durante a pandemia;
  • Na fila, respeite as recomendações de segurança (distância de 2m);
  • Respeite a placa de acrílico que existe entre você e quem está trabalhando;
  • Use o troco solidário, não vá ficar contando moedinhas;

Retornando à moradia

  • Tire os calçados;
  • Coloque as compras em uma área de transferência (alguns itens podem ficar ali por 12 ou 24 horas numa boa);
  • Lavar as embalagens ou passar um pano com solução alcoólica (álcool 70 líquido ou gel);
  • Antes de higienizar frutas, legumes e verduras, lave bem as mãos;

Extras

  • Busque informações sobre as condições de trabalho, suporte às necessidades básicas e apoio psicológico do supermercado que você frequenta;
  • Se tem dúvidas e precisa de uma lista de regras para a vida, recomendamos apenas uma: Não seja babaca.
  • Trabalhadoras e trabalhadores, façam greve!

[Passo a passo] Ajude a população em situação de rua a se proteger

Kits de higiene passo a passo

  1. Separe e limpe as garrafas plásticas;
  2. Fure as tampas;
  3. Encha em pares (só água + água e sabão, ou detergente);
  4. Identifique o conteúdo (Água / Sabão);
  5. Ligue as garrafas com um barbante;
  6. Entregue ou pendure em locais públicos visíveis.

Fonte: Movimento População de Rua – BAHIA

Doações de cestas básicas e máscaras para as famílias das comunidades do Alto da Boa Vista (Favela em Desenvolvimento, Rio de Janeiro, RJ)

Renna Leta, colunista da Voz da Comunidade está articulando uma distribuição de cestas básicas e máscaras nas favelas da quebrada dele. Recebeu pedidos de mais de 120 famílias. A arrecadação vai até o dia 25/04, para que haja tempo de encomendar e doar ainda este mês.

Para apoiar: picpay.me/rennanleta

Campanha de arrecadação para a ocupação Jd. da União (Grajaú, Zona Sul, São Paulo, SP)

O Jardim da União, ocupação existente desde 2013, construída por trabalhadoras e trabalhadores que lutam pelo direito à moradia digna, está precisando de doações. A maioria das famílias é sustentada por mulheres sozinhas. São diaristas, serviços de limpeza, manicures, domésticas ou que trabalham nas ruas vendendo algo. Enfim, trabalhadoras que tiveram suas fontes de renda diretamente atingida por conta da pandemia.

Nesse momento em que a solidariedade se faz mais urgente que nunca, pedimos que quem puder contribuir, favor depositar na seguinte conta:

Dados para depósito:
Heloisa Yoshioka
CPF 364486698-84
Caixa Econômica Federal
Ag 2962
Conta 22100-1

Também aceitamos doações de alimentos e material de limpeza. Colocamos a conta, pois dadas as restrições pensamos ser mais simples e já estamos nos organizando na montagem e distribuição dos kits sem aglomerar pessoas.

Conheça: vaidape.com.br/jardim-uniao-uma-pequena-cidade-autonoma-corre-perigo/

Fontes: Vaidape.com.br, SegurandoaOnda.com.br

Ajude Heliópolis a enfrentar o Coronavírus! (UNAS, São Paulo, SP)

Diante do agravamento da situação do Coronavírus e seus impactos na favela, estamos lançando uma campanha para ajudar as famílias mais vulneráveis da favela de Heliópolis. Tentando viabilizar o mínimo, como alimentos e material de higiene.

Doe Agora e Ajude Heliópolis

Estamos recebendo as doações em nossa sede central, localizada na Rua Da Mina, nº 38 – Heliópolis, das 10h00 às 16h00.

Como ajudar:

A doação de recursos financeiros, será extremamente importantes para pagarmos todos os custos envolvidos na logística de distribuição, como: Máscaras, Luvas e Álcool em Gel.

SUA SOLIDARIEDADE PODE SALVAR UMA VIDA!

Banco: Caixa Econômica Federal (104)
Agência: 3124
Conta: 376-7
CNPJ: 38.883.732/000.1-40
UNAS – União de Núcleos, Associações dos Moradores de Heliópolis e Região.

Acesse: unas.org.br/single-post/Ajude-Heli%C3%B3polis-a-enfrentar-o-Coronav%C3%ADrus

Fundo para Mães e Trabalhadoras Informais (Cursinho Popular Chance, São Paulo, SP)

A Covid-19 está golpeando especialmente as mulheres pobres, que estão na linha de frente das tarefas de cuidados (idosos, crianças e trabalho doméstico), grande parte delas trabalhadoras informais que ficaram sem fonte de renda por causa da quarentenas.

Para tentar reduzir o impacto da pandemia, voluntários do Cursinho Popular Chance criaram a campanha Fundo para Mães e Trabalhadoras Informais Afetadas pela Covid-19 . Trata-se de um financiamento coletivo que pretende garantir  renda básica para mães e trabalhadoras informais da comunidade de Paraisópolis, na zona Sul de São Paulo.

Conseguir ajudar cada mulher com uma renda básica de R$400,00, apoiando Marias diferentes semanalmente, até que a crise diminua e elas possam restabelecer seus empregos.  Queremos contemplar o maior número possível de mulheres! As projeções são que a crise durará cerca de 20 semanas, então quanto mais arrecadarmos, melhor. 

Acesse: redeapoiomaes.wixsite.com/fundocovid19

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén