Apoio Mútuo

Mudanças sérias precisam acontecer

Tag: coronavirus

[Marabá/PA] Os warao precisam de sua ajuda nessa crise

Os warao são o segundo povo indígena mais populoso da Venezuela e habitam a região do Delta do Orinoco. Desde 2014 tem empreendido migrações para o Brasil em busca de melhores condições de vida, entrando no país pela fronteira de Roraima e seguindo para o Amazonas e Pará.

Em Marabá, no Estado do Pará, as famílias de refugiados warao estão morando em uma casa alugada compartilhada por cerca de 30 pessoas, e têm vivido basicamente de mendicância. Como são uma população grande confinada em um espaço pequeno, e passam uma parte de seus dias nas ruas em busca de sustento, estão em estado de extrema vulnerabilidade em relação à COVID-19. Precisamos com urgência apoiar a sobrevivência dessas famílias nesse momento de crise.

O momento exige solidariedade e apoio mútuo com o próximo, principalmente com aquelas pessoas que estão divididas e classificadas por longas cadeias de opressão e violência. Com a campanha “Os warao precisam de sua ajuda nessa crise”, a Rede de Apoio Mútuo Indígena do Sudeste do Pará conta com você para auxiliar na segurança alimentar dos warao em Marabá/PA e nas ações para proteção contra a propagação da COVID-19 nentre essas famílias.

Faça parte dessa rede de apoio! Essa campanha garantirá a aquisição de cestas básicas e de materiais de higiene e máscaras para distribuir para as famílias warao em Marabá/PA, bem como o pagamento do aluguel de suas habitações.

Quem somos

A Rede de Apoio Mútuo Indígena do Sudeste do Pará é uma cadeia de informação e apoio voltada para inspirar e fortalecer a organização autônoma de ajuda indígena em resposta à COVID-19.

Facebook: https://fb.com/apoiomutuoindigena

Vídeo da campanha no YouTube: https://youtu.be/xz-UhAH5TBQ

Mapa da Resistência ao Coronavírus em Pernambuco

Apoie uma campanha no seu bairro;
Ajude na Resistência ao Coronavírus!

Conheça o Mapa Solidário

Se você tem vontade de ajudar a crescente população vulnerável em Pernambuco e não sabe como, acesse:

https://mapasolidario.riacho.info

Lá você pode procurar iniciativas solidárias próximas a você.

Basta clicar nos balõezinhos e ver informações sobre campanhas de apoio e dados para doações financeiras ou arrecadação de alimentos e materiais de higiene.

Muitas famílias têm enfrentado dificuldades para manter suas fontes de renda e atender necessidades básicas de alimentação e higiene com o avanço da pandemia da Covid-19 no estado. Algumas pessoas têm se organizado em campanhas para arrecadar alimentos, remédios e kits de higiene e ajudar pessoas em situação de vulnerabilidade. Para fazer a ponte entre essas iniciativas e interessados em ajudar, a Rádio Comunitária Aconchego (Engenho do Meio) e parceiras/os criaram o Mapa Solidário (mapasolidario.riacho.info), que agrega até o momento 88 localidades na Região Metropolitana do Recife e em todo o estado de Pernambuco.

A navegação no site, simples e intuitiva, funciona como uma vitrine, que dá visibilidade a iniciativas de solidariedade e facilita o acesso de quem quer ajudar mas não sabe como. Ao acessar o site do Mapa Solidário, o doador ou a doadora pode navegar em um mapa e ver os pontos de doação distribuídos do litoral ao sertão do estado. Com um clique do mouse, é possível visualizar nome da organização, telefones de contato, site, rede sociais e link para fazer uma doação direta.

O Mapa Solidário reúne, até o momento, cerca de 20 campanhas. Há iniciativas de ONGs, organizações feministas (Fórum de Mulheres de Pernambuco, Casa da Mulher do Nordeste, Grupo Mulher Maravilha) e LGBTQ (Transviver), articulações de bairro e comunitárias (como GRIS Solidário/Casa Maria de Lourdes, Centro Comunitário Mário Andrade, Rede Tumulto, Caranguejo Tabaiares Resiste) além de campanhas que surgiram no contexto da Covid-19, como é o caso da Comunidade Frei Damião (Caetés 1). Entidades interessadas em divulgar suas campanhas podem preencher um formulário disponível no site e solicitar a sua inclusão, que será feita em até 48 horas.”

Mais que nunca, nosso bem estar depende de um esforço coletivo. A nossa saúde depende de medidas de higiene indicadas para combater o Coronavírus. E, principalmente, a sobrevivência de muitos depende da solidariedade dos que ainda conseguem manter sua renda neste momento crítico. Temos que substituir tédio por solidariedade.”, ressaltam os organizadores do mapa.

Serviço:
Iniciativa: Rádio Aconchego e parceiros
Site: https://mapasolidario.riacho.info
Contato: mapasolidario@riseup.net

GRIS Solidário/Casa Maria de Lourdes recebe doações na Várzea (Recife, PE)

GRIS, Toda a ajuda importa, toda colaboração faz diferença, cada ação é importante

Mais um mês de pandemia e o GRIS Solidário continua arrecadando recursos para doação de kits de alimentação e higiene. O bairro da Várzea, no Recife, é um dos mais populosos da Região Metropolitana: atender a crescente demanda por auxílio requer muita solidariedade e doações. Aos sábados, acontece a distribuição de kits alimentação que incluem alimentos não perecíveis, frutas e verduras, além dos kits de higiene com álcool e água sanitária, máscara de tecido, luvas de látex sabonete líquido. Os itens são comprados em atacado e nos comércios do bairro. O valor médio dos kits é de 60 reais e chegamos a distribuir mais de 200 kits no início de maio.

As doações são feitas através de depósito bancário e do pag seguro, com valores a partir de 10 reais. Fortaleça a solidariedade e vamos juntas resistir ao Coronavírus <3

Doações via PagSeguro (boleto e cartões):

10 reais: https://pag.ae/7V-uG4UX6/button
50 reais: https://pag.ae/7V-uGNDep/button
100 reais: https://pag.ae/7V-uHmkHQ/button

Doações via depósito bancário:
Caixa Econômica Federal
Ag.: 0678
Operação: 013
Conta: 00070481-3
Joice Poliana da Paixão Sales

Banco do Brasil
Ag.: 1488-5
Cc: 10614-3
Neura Mendes da Silva

Sobre a entidade:

O GRIS Espaço Solidário – Casa Maria de Lourdes, localizado no bairro da Várzea, Recife – PE, foi criado em agosto de 2018 com o objetivo de oferecer suporte assistencial à população em condição de vulnerabilidade socioeconômica residente em seu entorno. A entidade, financiada através de doações e bazares solidários, atende prioritariamente crianças e jovens de 05 a 15 anos e suas famílias. As atividades incluem: distribuição de cestas básicas, materiais de limpeza e higiene, eletrodomésticos e roupas, atendimento médico, terapias holísticas; acompanhamento terapêutico, acompanhamento social, acompanhamento pedagógico, reforço escolar e aulas de Xadrez e Inglês.

[Vídeo] Kasa Invisível: Apoio Mútuo em tempos de Covid 19 (Belo Horizonte, MG)

Diante da grave epidemia que assola o planeta, iniciativas de solidariedade e apoio mútuo vem se multiplicado.

Na região central de Belo Horizonte, o Coletivo Kasa Invisível tem se articulado semanalmente para arrecadar doações de dinheiro, alimentos, itens de higiene, afim de contribuir com a população de rua do centro de Belo Horizonte, famílias necessitadas e outras ocupações de luta pelo direito a moradia.

O coletivo também tem produzido máscaras de pano, que são distribuídas juntamente a esses kits.

Esse vídeo documenta um pouco desse processo.

É importante seguirmos fortalecendo ações de solidariedade e apoio mútuo e de enfrentamento ao capital, sem esquecermos dos impactos do sucateamento histórico do sistema de saúde pública, desprotegendo a população pobre em benefício de grandes empresários, que observam direitos básicos como mercadoria.

Seguimos apoiando o isolamento social, sem acreditar, no entanto, que isso signifique inação.

Coletivo Kasa Invisível


Um convite de Antimídia

O apoio mútuo é um dos pilares do anarquismo. E é em crises como a pandemia de COVID-19 que ele se faz mais presente e importante. Esse vídeo é um registro das ações de apoio mútuo realizadas pela Kasa Invisível, ocupação e centro social em Belo Horizonte, Minas Gerais.

Esse é possivelmente o primeiro de uma série de vídeos sobre ações de apoio mútuo nos territórios chamados de “Brasil”. Envie você também registros e depoimentos sobre ações semelhantes das quais você ou grupos próximos participam. Entre em contato com a Antimída: https://antimidia.noblogs.org/contato/

Dicas para criar um canal de comunicação e marcar uma reunião da vizinhança

Lembre-se:

Reuniões são úteis somente na medida em que elas têm um objetivo. Tenha um objetivo claro e não se esqueça dele.

Você provavelmente está acompanhando notícias sobre como muitas comunidades em todo o país estão conseguindo organizar serviços de prevenção à contaminação e muita solidariedade em seus territórios sem ou com pouca presença do estado. Queremos que você sinta coragem para dar o primeiro passo para mobilizar a sua vizinhança. Utilize as dicas desse artigo para criar outras formas de estar em contato com as pessoas e tirá-las da apatia e da indiferença.

Estabeleça um canal de comunicação entre as pessoas que moram ao seu redor

Use o que for confortável para o maior número de pessoas, todas devem ser capazes de falar umas com as outras. Pode ser uma corrente de SMS ou e-mail, por exemplo. Você pode criar uma lista de email ou um grupo em algum chat que a maioria já utiliza. Provavelmente WhatsApp seja a opção mais prática e que as pessoas estão acostumadas com seu uso.

É importante pensar na segurança do grupo e os tipos de mensagens que vão circular. Nesse caso, o Signal pode ser uma ótima alternativa, já que oferece mais recursos de privacidade sem deixar complicado aquilo que precisa ser simples. Conheça os sete passos para a segurança digital no Guia de Autodefesa contra Vigilância.

Lembrem-se: nenhuma comunicação é totalmente segura

  • As conversas devem seguir um protocolo de segurança prévio.
  • Se seu grupo fala mais de um idioma, acolha todos os idiomas;
  • Se você fala vários idiomas, garanta que todas aquelas que falam apenas um idioma possam entender as partes mais importantes do que está sendo falado;
  • Se você fala apenas um idioma, procure ajuda com amigas e companheiras para tradução;
  • Ponha isso em prática o tempo todo, pode ser difícil no começo ou mesmo poderá tornar a conversa menos ágil, mas mantém todas juntas. É uma sensação poderosa superar essa barreira diária.

Encoraje a participação individual

Aquelas pessoas que não tem certeza se devem se juntar ao grupo provavelmente não vão aderir ao receber um email, uma corrente de SMS ou serem incluídas num grupo de WhatsApp. Tanto quanto for possível, ligue e mande mensagens individualmente para verificar como elas estão e para encorajar que participem – porquê é para o benefício delas e seu. Você saberá como encorajá-las se estiver conversando com sobre o que necessitam e têm para oferecer na vizinhança.

Organizar é construir relações em busca da ação coletiva. Se você tem a intenção de criar um grupo grande, isso significa que haverá uma considerável quantidade de moradoras para entrar em contato. Pode ser uma tarefa desanimadora, então compartilhe esse trabalho preferencialmente com outra pessoa do bairro, mas também pode ser uma pessoa que esteja interessada em ajudar.

Anuncie uma reunião da vizinhança para votarem suas demandas

  • Reuniões presenciais não são uma boa ideia em tempos de COVID-19. Isso cria uma série de dificuldades mas também pode fazer com que seja mais fácil do que nunca encontrar uma hora para marcar a reunião. Se o número de participantes for grande, use uma ferramenta como o Dudle para ajudar a encontrar uma data em comum;
  • Para fazer a reunião à distância sugerimos o Jitsi. Existem muitas opções de provedores de Jitsi para escolher, como por exemplo vc.autistici.org e calls.disroot.org;
  • Tenha em mente que nem todas as pessoas estão confortáveis com um computador ou sequer tem acesso a um. Garanta bastante tempo de preparação antes da reunião e use sua proatividade, compartilhe guias de como usar a ferramenta, como baixar e instalar o app para aquelas pessoas que vão acessar pelo celular;
  • Pode ser que uma reunião não seja necessária, por exemplo, se o seu prédio é pequeno e vocês já conseguiram chegar à um consenso sobre o que precisa ser feito e quais ações tomar. Avalie isso com cuidado, uma reunião, mesmo on-line, pode servir para aproximar as pessoas mas também pode gerar ou reforçar comportamentos desagradáveis dependendo das dinâmicas do grupo. Lembre-se: A comunicação não violenta é sempre a melhor saída.

Faça a reunião

  • Lembre a todas as participantes na véspera e na data sobre a reunião. Faça um lembrete geral e individualmente também. Não se sinta estranho por ser repetitivo, a reunião é importante e para o bem da vizinhança;
  • Tenha uma pauta simples. As pautas vão variar bastante de acordo com os objetivos da reunião, mas é bom começar com uma breve apresentação de todas as participantes e uma checagem. Exemplo: (1) Apresentação (Nome, como está se sentindo) (2) Como a Pandemia está te afetando? (3) Como podemos ajudar umas as outras?;
  • Tenha alguém para facilitar a reunião. Essa pessoa deve tentar manter a conversa no tópico, garantir que todas as pessoas se sintam incluídas e tenham espaço para falar, resumir acordos, e garantir que nenhuma tarefa fique sem alguém responsável por ela. Lembre-se: Muitas pessoas estão se sentindo muito sozinhas, é importante que a facilitadora tenha isso em mente e tenha sensibilidade ao trazer o foco de volta ao tópico de maneira a não fazer as pessoas se sentirem silenciadas. Propor momentos durante a semana apenas para falar como estão se sentindo e compartilhar anseios e necessidades emocionais pode ser um bom encaminhamento para garantir a união do grupo;
  • Tenha alguém para tomar notas. A tarefa dessa pessoa é anotar pelo menos os pontos mais importantes, quaisquer decisões tomadas e quem se compromete a fazer o que. Isso ajuda a saber o que aconteceu a medida que as coisas progridem e também para manter as pessoas que não puderam comparecer à reunião informadas;
  • Seja bacana mesmo com as pessoas que não compartilham das tuas visões políticas, ninguém quer replicar a lógica utilitarista de algumas vanguardas na vizinhança não é mesmo? O momento é de solidariedade.

Se a reunião da sua vizinhança deu certo ou se você tem outras ideias para articular a mobilização no bairro, utilize o formulário para enviar conteúdo e compartilhe conosco suas experiências. Valeu!

Chamado Solidário Contra o Covid-19 (Kasa Invisível, Belo Horizonte, MG)

Em meio à crise sanitária e econômica devido à pandemia do coronavírus, é preciso seguir em ação direta solidária e apoio mútuo com nossa comunidade, outras ocupações e pessoas em situação de rua no nosso entorno.

As seguintes doações URGENTES são bem-vindas:

  • Materiais de higiene e limpeza, principalmente sabonete, detergente, sabão em pó, água sanitária, fraldas descartáveis, absorventes, etc;
  • Materiais de proteção e EPIs, como luvas, máscaras e álcool em gel, (tanto para compor os kits quanto para usarmos nas coletas e distribuição de materiais);
  • Cestas básicas, alimentos não perecíveis, água mineral, remédios.
  • Doação em dinheiro por transferência ou depósito na conta¹:
    Banco Inter (077 – Banco Intermedium S.A.); Conta 17416612; Agência 0001-9 Henrique M. F. Correa.

Como será feito o repasse:

As doações serão repassadas através de kits de alimentação e higiene, destinadas inicialmente para famílias das ocupações e pessoas em situação de rua em nossa região (Lourdes-Centro, Raul Soares).


Replique! Mobilize seu bairro! Fortaleça sua comunidade!

Ainda são necessários diversos materiais e móveis para compas da nova ocupação que surgiu na vizinhança²:

. COLCHÕES
. CAMA (preferencialmente de casal)
. GELADEIRA
. FOGÃO
. UTENSÍLIOS DE COZINHA
. PRODUTOS DE LIMPEZA
. ELETRODOMÉSTICO
. ROUPA INFANTIL (mas./fem.)
. MATERIAL DE CONSTRUÇÃO


¹A prestação de contas dos materiais comprados e ações serão feitas regularmente nas nossas páginas do Instagram e Facebook.
²(Há mais de um ano uma nova ocupação surgiu ao nosso entorno. Por segurança, daremos mais detalhes apenas no futuro.)

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén