Apoio Mútuo

Mudanças sérias precisam acontecer

Categoria: Material de mobilização

OS KUIKURO PEDEM APOIO PARA SE DEFENDEREM DA PANDEMIA (AIKAX, Xingu, MS)

As Nações Indígenas, diante do Covid-19, correm sérios riscos de serem dizimadas. Visando a prevenção e o bem-estar dos habitantes das comunidades indígenas do Alto Xingu, a Associação Indígena Kuikuro Alto Xingu – AIKAX, beneficiária da Campanha, está lançando um alerta vermelho: Precisa de ajuda com 3 itens importantes para se prevenir nesta quarentena.

Se você, como nós, não se conforma com essa realidade. Colabore!

Com o montante arrecado vamos comprar :

Remédios e equipamentos hospitalares como nebulizadores; 01 Motor de Popa 90 HP e Barco 12 metros; 01 Caminhão 4 x 4, zero km

Escutemos as vozes dos Guardiões da Floresta e façamos a nossa parte!

Esta luta e’ de todos!

Nós Kuikuro somos um povo de língua caribe, habitantes tradicionais do Alto Xingu. Vivemos na Terra Indígena do Xingu, estado do Mato Grosso, Brasil.

Por sua vibrante cultura, os povos xinguanos são conhecidos como egi otomo (mestres de cantos), kehege otomo (mestres de rezas), gekuilene otomo (mestres da alegria) ou inhanhene otomo (mestres do artesanato)”.

Habitando uma zona de transição entre o cerrado do Brasil Central e a floresta amazônica, nós ajudamos a preservar uma área vital para a sobrevivência do Planeta.

Agora estamos ameaçados pela pandemia do COVID-19. Temos presente na memória a devastação que as epidemias de varíola, sarampo e mesmo gripe causou em nosso povo. Sabemos o que é ver os parentes morrerem e nem termos forças para enterrá-los por estarem todos doentes.

Fechamos o nosso território para que ninguém contaminado aqui possa entrar. Mas essa é uma tarefa difícil e não sabemos por quanto tempo teremos que resistir. Não podemos depender mais apenas do governo. Temos que tomar a nossa chance de sobrevivência em nossas mãos.

Por isso, precisamos de ajuda para proteger as nossas terras e o nosso povo.

No momento em que o mundo para, temos que escutar, reconectar e ajudar aqueles que sempre nos ajudam a ouvir a natureza.

Por favor, apóiem o povo Kuikuro por meio de sua Associação. Os recursos serão destinados à defesa de nosso território e para atender possíveis emergências. No momento, ainda estamos com saúde e acabamos de realizar um grande ritual para a construção da Casa das Flautas (Kuakutu) no centro da aldeia.

Queremos continuar a dançar e cantar pela saúde do Planeta e das gerações que ainda estão por nascer.

Apoiem os Kuikuro!

https://www.catarse.me/indigenascontracovid-19?ref=ctrse_thankyou&utm_source=facebook.com&utm_medium=social&utm_campaign=project_share&fbclid=IwAR2goPjoVlOPyoIHi1VSL6bt4JxzjOGDfDr1i2sMNYwFsc1gyAcXBpME9WM

[Material de mobilização] Vou deixar todos morrerem, tá okay? (Quilombo Invisivel)

O site Quilombo Invisível é um espaço de debate e de fortalecimento de nossas lutas cotidianas e preparou nesse material um cartaz que pode usado como lambe-lambe nas ruas (uma forma de protesto sem quebrar o isolamento social), e alguns conselhos, como itens de alimentação para ajudar a aumentar a imunidade.

Sabemos que esse vírus é uma consequência do capitalismo e suas formas destrutivas de produção, contaminando os alimentos, as águas, desmatando as florestas e levando bilhões de pessoas a viver em situações de miséria, sem as devidas condições de saúde e saneamento. Só com solidariedade, autocuidado e garantindo nossa quarentena pressionando os governos é que vamos enfrentar melhor essa crise.

Não podemos deixar que o governo e os patrões se aproveitem desse momento para tirar direitos e ampliar a repressão, queremos ficar em casa e receber os devidos recursos para isso.

Nos cuidemos para voltar para as ruas com mais raiva e força!

https://quilomboinvisivel.com/2020/04/05/material-sobre-o-covid-19/

Dicas para criar um canal de comunicação e marcar uma reunião da vizinhança

Lembre-se:

Reuniões são úteis somente na medida em que elas têm um objetivo. Tenha um objetivo claro e não se esqueça dele.

Você provavelmente está acompanhando notícias sobre como muitas comunidades em todo o país estão conseguindo organizar serviços de prevenção à contaminação e muita solidariedade em seus territórios sem ou com pouca presença do estado. Queremos que você sinta coragem para dar o primeiro passo para mobilizar a sua vizinhança. Utilize as dicas desse artigo para criar outras formas de estar em contato com as pessoas e tirá-las da apatia e da indiferença.

Estabeleça um canal de comunicação entre as pessoas que moram ao seu redor

Use o que for confortável para o maior número de pessoas, todas devem ser capazes de falar umas com as outras. Pode ser uma corrente de SMS ou e-mail, por exemplo. Você pode criar uma lista de email ou um grupo em algum chat que a maioria já utiliza. Provavelmente WhatsApp seja a opção mais prática e que as pessoas estão acostumadas com seu uso.

É importante pensar na segurança do grupo e os tipos de mensagens que vão circular. Nesse caso, o Signal pode ser uma ótima alternativa, já que oferece mais recursos de privacidade sem deixar complicado aquilo que precisa ser simples. Conheça os sete passos para a segurança digital no Guia de Autodefesa contra Vigilância.

Lembrem-se: nenhuma comunicação é totalmente segura

  • As conversas devem seguir um protocolo de segurança prévio.
  • Se seu grupo fala mais de um idioma, acolha todos os idiomas;
  • Se você fala vários idiomas, garanta que todas aquelas que falam apenas um idioma possam entender as partes mais importantes do que está sendo falado;
  • Se você fala apenas um idioma, procure ajuda com amigas e companheiras para tradução;
  • Ponha isso em prática o tempo todo, pode ser difícil no começo ou mesmo poderá tornar a conversa menos ágil, mas mantém todas juntas. É uma sensação poderosa superar essa barreira diária.

Encoraje a participação individual

Aquelas pessoas que não tem certeza se devem se juntar ao grupo provavelmente não vão aderir ao receber um email, uma corrente de SMS ou serem incluídas num grupo de WhatsApp. Tanto quanto for possível, ligue e mande mensagens individualmente para verificar como elas estão e para encorajar que participem – porquê é para o benefício delas e seu. Você saberá como encorajá-las se estiver conversando com sobre o que necessitam e têm para oferecer na vizinhança.

Organizar é construir relações em busca da ação coletiva. Se você tem a intenção de criar um grupo grande, isso significa que haverá uma considerável quantidade de moradoras para entrar em contato. Pode ser uma tarefa desanimadora, então compartilhe esse trabalho preferencialmente com outra pessoa do bairro, mas também pode ser uma pessoa que esteja interessada em ajudar.

Anuncie uma reunião da vizinhança para votarem suas demandas

  • Reuniões presenciais não são uma boa ideia em tempos de COVID-19. Isso cria uma série de dificuldades mas também pode fazer com que seja mais fácil do que nunca encontrar uma hora para marcar a reunião. Se o número de participantes for grande, use uma ferramenta como o Dudle para ajudar a encontrar uma data em comum;
  • Para fazer a reunião à distância sugerimos o Jitsi. Existem muitas opções de provedores de Jitsi para escolher, como por exemplo vc.autistici.org e calls.disroot.org;
  • Tenha em mente que nem todas as pessoas estão confortáveis com um computador ou sequer tem acesso a um. Garanta bastante tempo de preparação antes da reunião e use sua proatividade, compartilhe guias de como usar a ferramenta, como baixar e instalar o app para aquelas pessoas que vão acessar pelo celular;
  • Pode ser que uma reunião não seja necessária, por exemplo, se o seu prédio é pequeno e vocês já conseguiram chegar à um consenso sobre o que precisa ser feito e quais ações tomar. Avalie isso com cuidado, uma reunião, mesmo on-line, pode servir para aproximar as pessoas mas também pode gerar ou reforçar comportamentos desagradáveis dependendo das dinâmicas do grupo. Lembre-se: A comunicação não violenta é sempre a melhor saída.

Faça a reunião

  • Lembre a todas as participantes na véspera e na data sobre a reunião. Faça um lembrete geral e individualmente também. Não se sinta estranho por ser repetitivo, a reunião é importante e para o bem da vizinhança;
  • Tenha uma pauta simples. As pautas vão variar bastante de acordo com os objetivos da reunião, mas é bom começar com uma breve apresentação de todas as participantes e uma checagem. Exemplo: (1) Apresentação (Nome, como está se sentindo) (2) Como a Pandemia está te afetando? (3) Como podemos ajudar umas as outras?;
  • Tenha alguém para facilitar a reunião. Essa pessoa deve tentar manter a conversa no tópico, garantir que todas as pessoas se sintam incluídas e tenham espaço para falar, resumir acordos, e garantir que nenhuma tarefa fique sem alguém responsável por ela. Lembre-se: Muitas pessoas estão se sentindo muito sozinhas, é importante que a facilitadora tenha isso em mente e tenha sensibilidade ao trazer o foco de volta ao tópico de maneira a não fazer as pessoas se sentirem silenciadas. Propor momentos durante a semana apenas para falar como estão se sentindo e compartilhar anseios e necessidades emocionais pode ser um bom encaminhamento para garantir a união do grupo;
  • Tenha alguém para tomar notas. A tarefa dessa pessoa é anotar pelo menos os pontos mais importantes, quaisquer decisões tomadas e quem se compromete a fazer o que. Isso ajuda a saber o que aconteceu a medida que as coisas progridem e também para manter as pessoas que não puderam comparecer à reunião informadas;
  • Seja bacana mesmo com as pessoas que não compartilham das tuas visões políticas, ninguém quer replicar a lógica utilitarista de algumas vanguardas na vizinhança não é mesmo? O momento é de solidariedade.

Se a reunião da sua vizinhança deu certo ou se você tem outras ideias para articular a mobilização no bairro, utilize o formulário para enviar conteúdo e compartilhe conosco suas experiências. Valeu!

[Coronavírus] Panfleto para preencher e oferecer ajuda na vizinhança

À medida em que as coisas ficam mais difíceis, precisamos estender nossa solidariedade na vizinhança. Você pode assumir a responsabilidade de entrar em contato com quem mora por perto? Juntos, vocês podem verificar quais necessidades surgiram no seu quarteirão e agilizar um grupo de bate-papo para manter o contato entre as pessoas.

Você pode fazer o download do arquivo pronto para imprimir, cortar ao meio, preencher e distribuir na sua vizinhança. Criamos dois arquivos: um para distribuir no seu bairro e outro se você mora em um condomínio e deseja mobilizar os blocos para a ação!

Os panfletos utilizam um texto simples, com letras bem grandes. Como fazer a mobilização é com você. Lembre-se de que nem todas as pessoas que precisam de ajuda compartilham da mesmo visão política e posições que a sua, mas não é por isso que elas serão deixadas para trás. Este é o momento de mostrar que as diferenças não podem dividir as pessoas, e que a solidariedade e o apoio mútuo são mais importantes que tudo.

Baixe o arquivo, faça a impressão e bote a solidariedade para circular.


Esse material foi inspirado no material “Neighborhood Pods How-To“, da Mutual Aid Medford and Somerville, Massachusetts (MAMAS).

Page 2 of 2

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén