Apoio Mútuo

Mudanças sérias precisam acontecer

Page 4 of 8

Plataformas para videochamadas seguras

Em contextos críticos, seguirmos organizados à distância requer que tomemos precauções adequadas.

No caso das salas de reuniões on line ou videochamadas, existem alguns programas recomendados de softwares livres.

JITSI

É um sistema de videochamadas que pode ser usado do próprio site, em qualquer navegador e não requer aplicativos. O que o faz fácil de ser usado.

Utiliza criptografia desde o servidor, por isto a confiança em sua segurança depende do servidor que você eleger.

Para usar você pode baixar o aplicativo “Jitsi Meet” ou ingressar de um navegador em algum destes servidores (lista a seguir). Uma vez criada a sala, se compartilhe o link.

meet.mayfirst.org/

vc.autistici.org/

jitsi.komun.org/

calls.disroot.org/

meet.guifi.net/

meet.greenhost.net/

meet.collective.tools

Passo a passo JITSI

Como organizar uma chamada no Jitsi

Basta acessar o site https://meet.jit.si/

No retângulo branco, escreva o nome do seu chat, sem espaços, com letras maíusculas ou minúsculas. Pode ser qualquer nome.

Ex: TrotskiProtestaDemais

Aí e só clicar no botão azul GO e pronto, o seu chat está criado com o nome que você deu!

No exemplo é: https://meet.jit.si/ TrotskiProtestaDemais

Agora basta partilhar esse link com as pessoas que irão participar.

Você pode partilhar o link dias ou horas antes do chat, porque ele fica permanente. No horário combinado, as pessoas acessam e começam a conversa.

Como entrar num chat do Jitsi

No computador, não precisa de nenhum aplicativo. O navegador entra direto na sala do chat, basta clicar no link.

No telefone,

Precisa baixar o aplicativo do Jitsi, disponível aqui:

https://jitsi.org/downloads/

Para Android, clique no link da Google Play

Para Iphone, clique no link da Apple Store

Uma vez instalado, basta clicar no link do chat (recebido), que o telefone vai abrir a sala automaticamente

No computador

Você irá receber o link. Você deverá clicar nele, apenas.

Em seu navegador de internet vai abrir uma “sala de reunião”.  Aparecerá para você três botões: um do microfone, outro para sair da chamada (vermelho) e outro para a câmera.

Assim que entrar na “sala de reunião” desligue o microfone e a câmera. Quando quiser falar ou aparecer re-ligue o microfone no botãozinho dele e a câmera no botãozinho dela.

Quando não estiver falando, deixe-o desligado.

Para segurança de todos é muito importante a identificação dos compas na reunião. Para isso, ao lado direito na tela tem uma coluna de quadrinhos. Basta clicar no meio do quadrado e escrever seu nome.

Existe um chat que fica no inferior esquerdo (o ícone é um balãozinho de conversa).

Para falar você pode aperar o botãozinho “levantar a mao”.

Outros programas

SIGNAL – Existem restrições de segurança. Apesar da indicação.

JAMI – Assim que a conta estiver criada pode registrar os contatos e iniciar conversas.

TOX – Além de videochamadas, se pode acessar listas de chats de grupos e públicos.

Lembre-se:

– Discuta com teu grupo de afinidades qual a melhor alternativa para vocês.

– Não existe programa seguro. Construa protocolo de segurança de suas conversas.

– Somente com autonomia e cooperação nos cuidamos.

Mantermos comunicação e organização de maneira segura é importante enquanto nos preparamos para voltar a tomar as ruas.

Adaptação de material Colectivo Disonância:

https://t.me/cdisonancia/185

Campanhas de solidariedade para pessoas presas e suas famílias (FED, São Paulo, SP)

A Frente Estadual pelo Desencarceramento de SP criou o Boletim nº 5 com informações sobre Campanhas de solidariedade para pessoas presas e suas famílias nesse cenário de pandemia do novo coronavírus (COVID-19).

https://www.facebook.com/desencarceramentosp/

https://desencarceramento.org.br/

Recomendação de leitura:

https://ponte.org/ex-detentos-e-ativistas-se-unem-para-ajudar-presos-e-familiares-durante-pandemia/?fbclid=IwAR3QMfpTRU-fngGx6fSOsKOP-Tc6e1JnaSjDg1eXen4OmgvNmIIdxLkMMcU

Campanha de solidariedade aos catadores e catadoras de Materiais Recicláveis (MNCR-GO, Goiânia e Aparecida de Goiânia, GO)

Campanha de Solidariedade Catadores Contra o Coronavírus.  Saiba como ajudar.

1) Ajuda em dinheiro: Deposite qualquer quantia em Caixa Econômica Federal; Ag: 1550 001; C.C. 00037260-0, em nome de Claubi Teixeira de Lemo. Depois de fazer o depósito, envie o comprovante para o whatsapp 62 9300-5512 (José Iramar)

2) Ajuda em Cesta Básica: Entregue a cesta básica na Associação Beija Flor, no endereço Rua João Luiz de Almeida; Quadra 5; Lote 11; Setor Criméia, Oeste. Tire uma foto da entrega da cesta básica e envie para o whatsapp 62 9300-5512 (José Iramar).

PRESTAÇÃO DE CONTAS
A Cecooreg (Central de Cooperativas do Estado de Goiás) e o MNCR irão se responsabilizar por prestar contas públicas, pela página do MNCR-GO, de todo o dinheiro que entrou e que foi gasto.

O objetivo é reunir auxílio para decretar QUARENTENA para os 300 catadores atualmente organizados no MNCR Goiás. Caso o dinheiro seja insuficiente, utilizaremos para 1) Quarentena dos mais velhos. 2) Pagamento de Contas da Cooperativa 3) Compra de EPIS de proteção contra o Vírus. 4) Auxílio doença para o caso de catadores infectados.

PRECISAMOS DE SUA AJUDA! Qualquer quantia terá um bom uso!

[Dicas de Saúde] A infância no isolamento

Com a chegada da Covid-19, as primeiras medidas de isolamento social do Estado foram direcionadas aos idosos e crianças. Como uma doença nova, sem que se soubesse muito a seu respeito, o Novo Coronavírus traz para dentro de casa as crianças que passavam, ao menos, metade de seus dias na escola, convivendo com professoras, crianças e ensino sistematizado.

A Covid-19 balançou – para todas as camadas sociais – a realidade de convivência familiar. Trânsito de pequenxs com pais separados, mães solteiras que se viram, famílias que ficaram sem ajudantes, avós que cuidam de netos, pais que cuidam de suas crianças e comunidades que criam suas pequenas coletivamente. O isolamento aproximou – não, colou! – a realidade da infância e a realidade dos adultos.

Sem a escola formal – com horários, prazos e a professora para orientar – o sentimento de férias para elas passou a ser uma constante, muitas não entendem bem o que acontece, e até nem tem idade para tal; outras aproveitam o tempo para formas de lazer que vêm da vida antes da pandemia.

No começo das medidas de auto isolamento os pediatras, pedagogos e psicólogos reforçavam aos tutores “paciência com as crianças! ”. Olhavam pelos pais ausentes – pela razão que fosse – que não tinham o hábito de conviver com o ritmo da vida na infância.

Não sabemos habitar nossas crianças.

E assim como o isolamento social tem mostrado para muitos que não sabemos habitar nossas casas (pois, até então as casas eram uma espécie de estacionamento para pessoas), também tem mostrado que não sabemos habitar nossas crianças.

Algumas dicas, de profissionais, sugestões de atividades para ocupá-las passou a inundar as redes. Diante de todas elas, alguns cuidados são importantes:

  • Mantenha sua pequena informada sobre o que acontece. Explique as razões – na linguagem mais adequada, com alegorias, histórias, ciência e o que mais for possível (a imaginação de vocês é o limite) – a falta de prazo e tente tirar todas as dúvidas possíveis para não alimentar a ansiedade delas;
  • Mas, lembre-se, crianças muito pequenas não conseguirão entender o que está acontecendo e ao tentar explicar você poderá estar inundando ela com ansiedades desnecessárias;
  • Não desconte sua ansiedade nas crianças! Seja quem você é alimentando o vínculo com elas, trocando afetos, experiências e atividades em comum. Procure ajudas em casa, fora dela, e profissional se for necessária. Lembre-se: elas estão tão confinadas quanto você, lidar juntos é a melhor forma de passar por isso.
  • Crianças também tem seus bandos! Pense em usar as mesmas ferramentas que você escolheu para você – (ligue pro teu bando) – se organize com outros tutores e deixem que elas interajam. Conviver com as outras crianças, amigos, colegas, festinhas de aniversário virtuais e encontros são muito importantes para o vínculo afetivo e social em qualquer momento da vida.
  • Rotinas são bem-vindas. Organizar tempo de estudo, brincadeira, tarefas, lazer coletivo, telas – videogames, televisão, internet – e de convívio lúdico ajudam com que as crianças tenham mais noção do tempo, dos dias, das coisas. A rotina delas foi interrompida abruptamente como a sua. Os estudos – com a ajuda da escola ou de sistemas on-line, atividades feitas por você, amigos seus ou parentes – mantém a ideia de que aprender é importante, mesmo que (principalmente) fora de um sistema educacional institucionalizado. A curiosidade faz parte da infância, bem como a experimentação, abuse disso nas atividades e mantenha os aprendizados das crianças 🙂

Aproveitemos o momento para repensarmos o modelo de educação que vivemos. Era isto que realmente queríamos para nossas crianças? Ou o que antes elas viviam podíamos chamar de confinamento escolar?

  O isolamento social com crianças pode ser um grande presente para os adultos que vivem com elas. Só é preciso estar atento à esta grande oportunidade. Novas dinâmicas e fortalecimento de vínculos têm uma oportunidade ótima de acontecer durante o isolamento social. Para rever escolhas, táticas e estratégias de misturar o seu mundo e o das crianças, quais as perspectivas de crescimento, personalidade e cooperação é uma situação incrível.

Por uma sociedade feita de escolas livres é pelo que devemos, mais do que nunca, lutarmos para construirmos.

Ações de Solidariedade Mulheres Negras, periféricas, pobres (Fórum de Mulheres de Pernambuco, Recife, PE)

Nós que construímos o Fórum de Mulheres de Pernambuco tomamos a solidariedade como parte de nossa prática política feminista! Entendemos que fazemos a luta em condições desiguais de vida, determinadas pelas relações de classe, racismo e vivência sexual. Além disso, enfrentamos os ataques machistas em condições desiguais também.

Na pandemia da Covid-19 não seria diferente.Por isso, desde 18 de março reforçamos nossa rede de solidariedade e apoio mútuo. Nosso objetivo é que as mais de 300 famílias de nossas militantes atravessem sãs e salvas esta pandemia. Para isto, estamos somando esforços para garantir informação acessível e de qualidade, isolamento social e doméstico dignos para nossas companheiras.

Afinal, o corpo e coração de cada uma é necessário para seguirmos em luta.Entendemos que ser parte de uma articulação feminista nacional e estar há 30 anos na luta feminista nos permitiu maior acúmulo na capacidade para captação de recursos que outros coletivos e grupos menores. Portanto, ampliamos a rede solidária na intenção de apoiar outros coletivos parceiras do FMPE. Seguiremos vivas e ativas na luta política! Por nós e pelas outras! Mas seguiremos ainda melhor e mais fortes com sua doação. Contribua até 30 de abril!

https://www.vakinha.com.br/vaquinha/acoes-de-solidariedade-do-forum-de-mulheres-de-pernambuco

Apoie os povos do Território Indígena do Xingu

Campanha organizada pela ATIX-Mulher para arrecadar fundos para entregar cestas e produtos de limpeza para 875 famílias indígenas, isoladas nas 114 aldeias do Xingu.

A ATIX-Mulher é o setor de atenção a causa da mulher xinguana, que tem como sua base de apoio O Movimento de Mulheres do Xingu (TIX) e representa os 16 povos indígenas do Território Indígena do Xingu-TIX (Kalapalo, Kuikuro, Mehinako, Yawalapiti, Waurá, Yudjá, Kisedjê, Kawaiwete, Ikpeng, Kamayurá, Aweti, Matipu, Trumai, Matipu, Tapayuna e Naruvoto), uma população estimada em 8 mil pessoas no território localizado ao norte do Estado de Mato Grosso, próximo à divisa com Estado do Pará.

Hoje, nossas comunidades se isolaram em suas aldeias para se protegerem, com a memória do extermínio de muitos povos do Território Indígena do Xingu, que foram vítimas do contágio por doenças como a COVID-19 em um passado próximo. Extermínio de novo, não!

Em isolamento e com medo, nossas comunidades não podem ir as cidades para adquirir materiais básicos para o seu cotidiano. Suas poucas reservas de alguns materiais e produtos estão se esgotando. Precisamos de apoio.

Acesse: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/apoie-os-povos-do-territorio-indigena-do-xingu-contra-a-covid-19

É profissional de psicologia? Quer ajudar as famílias das pessoas presas? (Rede de Proteção e Resistência Contra o Genocídio, São Paulo, SP)

A Rede de Proteção e Resistência Contra o Genocídio é uma rede em defesa da vida, contra a violência de estado, articulada por diversos movimentos sociais, profissionais e moradores em busca de Proteção e Resistência ao Genocídio nos territórios periféricos do estado de São Paulo.

A Rede de proteção e resistência ao Genocídio junto com a associação Amparar (Associação de familiares e amigos de presos/as) criaram um grupo de psicolog@s que estão atendendo online os familiares de presos e presas. Se você quer se juntar nesta luta só enviar uma mensagem inbox em nossa página com seu contato.

https://www.facebook.com/RedeContraoGenocidio/

Ajude a levar kits de higiene e limpeza para mulheres encarceradas (Liberta Elas, Recife, PE)

Com a chegada do novo coronavírus, estamos vendo diariamente pessoas adoecendo e morrendo. A experiência de outros países e das agências de saúde nacionais e internacionais mostra que a diminuição do contato entre as pessoas e a higiene pessoal é a medida mais eficaz de prevenção. Mas paras as mais de 800 mil pessoas encarceradas no Brasil, esse cenário torna-se ainda mais perverso. Essas pessoas encontram-se em unidades prisionais insalubres, superlotadas e com condições mínimas de higiene.

A situação é tão extrema que as pessoas presas têm trinta vezes mais chances de desenvolver tuberculose do que as pessoas em liberdade. Assim, o Covid-19 encontra nas prisões um terreno muito propício para fazer vítimas fatais rapidamente. 

Para agravar a situação, em Pernambuco, as visitas de familiares aos parentes no cárcere foram canceladas temporariamente. Sabemos que são essas famílias que garantem suporte material, psicológico e emocional da população carcerária por meio de produtos de higiene, alimentos e afeto que levam em suas visitas. A ausência de contato com seus familiares torna a vida das pessoas no cárcere ainda mais precária e vulnerável ao adoecimento.

Apesar de nos posicionarmos pelo desencarceramento como medida efetiva de prevenção ao coronavírus, a lógica punitivista e encarceradora do poder judiciário se mostra resistente à libertação de pessoas presas mesmo diante de uma pandemia. Nesse sentido, preocupadas com a saúde e a vida das mulheres encarceradas, essa vakinha tem como meta fornecer um kit de higiene pessoal e de limpeza para cada uma das 411 mulheres que se encontram na Colônia Penal Feminina de Abreu e Lima – CPFAL.

A pandemia tem demonstrado muito fortemente que a saúde da outra pessoa também é nossa saúde. A saúde das mulheres que estão aprisionadas também faz parte da nossa saúde coletiva. Ajudá-las a ter condições de enfrentar essa pandemia é dever do Estado, de cada um/uma de nós, além de ser um direito constitucional. Abandoná-las, agora, seria condená-las também a uma pena de morte.

Garantindo o direito à saúde das mulheres encarceradas

Nosso objetivo com esta Vakinha é proporcionar kits de limpeza e higiene pessoal para 411 mulheres que atualmente se encontram na Colônia Penal Feminina de Abreu e Lima (CPFAL), apoiando assim na garantia do direito humano à saúde e à vida das mulheres encarceradas. 

O que cada kit contém? 

Kit de limpeza

  • Sabão amarelo
  • Água Sanitária
  • Desinfetante

Kit de higiene

  • Absorvente
  • Sabonete
  • Shampoo 
  • Condicionador 
  • Pasta dentes
  • Escova de dentes

Incidência Política

Entendendo que o Estado tem a obrigação constitucional de garantir a dignidade humana, sem qualquer discriminação, e que a constituição brasileira proíbe as penas cruéis e garante o direito à saúde, o coletivo Liberta Elas em articulação com diversas organizações da sociedade civil vem incidindo junto aos poderes executivo, legislativo e judiciário pela aprovação de uma série de medidas emergenciais necessária para diminuir o alastramento do COVID-19 dentro das unidades prisionais e garantir a dignidade da população no tocante à saúde.

Sobre o Liberta Elas

O Liberta Elas surge no primeiro semestre de 2018, na cidade de Recife, Nordeste do Brasil. Hoje, somos um coletivo de mulheres feminista interseccional,  antirracista, anti-punitivista e abolicionista penal. Nosso foco é estabelecer trocas de afetos, proporcionar momentos de acolhimento e diálogo entre mulheres,  além da defesa dos direitos daquelas que se encontram sob custódia do Estado. Compreendemos que a justiça brasileira é racista, classista, sexista e LGBTfóbica e que  as mulheres inseridas no sistema prisional são julgadas com mais rigor porque são, em sua maioria negras, jovens, sem emprego e/ou educação formal e moradoras de periferias.  Lutamos para que todas as mulhere sejam livres e que seus direitos sejam respeitados. Liberta Elas!

https://www.vakinha.com.br/vaquinha/nossa-sentenca-nao-e-a-morte-saude-nas-prisoes-tambem-importa

[Passo a passo] Não seja babaca no supermercado

Escrevemos este pequeno manual passo a passo para manter a arrogância longe do supermercado, pois muitas pessoas precisam fazer compras e manter o mínimo de convivencialidade nesse espaço que é absolutamente necessário para todas nós.

Você não é dono do mundo.
Por sinal, o mundo acabou, fera.
De um jeito ou de outro ele acabou.

Então não vá deixar solto o babaca que existe dentro de você. Só um babaca acha que pode sair por aí fazendo o que bem entende. Claro que não! Então, quando for possível, vamos tentar usar o cérebro.

Planeje suas compras, faça uma lista dos itens que você e as pessoas que dividem a moradia precisam, pergunte a cada uma delas sobre as necessidades básicas e verifiquem juntos quais são os produtos necessários para o intervalo das compras.

Estamos em meio a uma emergência global, não é o momento de manter o mesmo estilo de vida e preferências por marcas e o supermercado mais perto da sua moradia é a opção mais adequada do que ir naquele que se parece com um shopping.

Antes de sair da moradia

  • Não leve crianças ao supermercado, muito menos durante uma pandemia;
  • Não faça estoques! Não vai adiantar, amiguinho. O mundo acabou, lembra?
  • Compre somente o que é realmente necessário;
  • Verifique se está tudo certo com o seu cartão, qual o saldo disponível, isto diminui o tempo de contato, além de ser muito chato chegar no caixa e ter uma pessoa na sua frente que não sabe sequer onde está o cartão;
  • Não tossir ou espirrar nas pessoas sempre foi algo bacana, se estiver com sintomas de COVID-19, procure uma unidade de saúde, não um supermercado;

Ao chegar no supermercado

  • Aglomerou? Volte outra hora;
  • Lembre-se de usar máscaras e higienizar as mãos com álcool gel;
  • Permaneça o menor tempo possível dentro do mercado;
  • A empresa não fornece EPI’s aos trabalhadores e trabalhadoras? Procure outro supermercado que se preocupe com as pessoas;
  • As pessoas estão expondo suas vidas para manter o funcionamento do mercado. Lembre-se sempre disto, seja gentil com quem está trabalhando para você ficar em casa;
  • Lembre-se também que as pessoas que estão ali trabalhando tem família e precisam manter o emprego (o medo delas é tão grande quando o seu, mas a possibilidade de isolamento não);

Durante as compras

  • Converse o mínimo necessário;
  • Compre somente aquilo que você conseguirá carregar;
  • Não ter nada para fazer ou estar entediado não é motivo para ir ao supermercado. Leia rótulos de shampoo no banheiro de sua casa (ou um livro pode ser uma boa pedida);
  • Se você precisa de informação, certifique-se de pedir auxílio para alguém que trabalha no supermercado, não para a pessoa mais próxima;
  • Não fique tocando em tudo o que topar pela frente, isto reduz tua permanência, e portanto, os riscos. Tenha certeza de que é necessário tocar para escolher.
  • Talvez um produto em promoção pela metade do preço não seja necessário na sua casa;
  • Reflita se energético ou cerveja artesanal devem mesmo estar no seu carrinho (com a grana dessas bobagens rendem duas quentinhas para quem precisa);

Na hora de pagar

  • Se você nunca usou um self-checkout, não utilize durante a pandemia;
  • Na fila, respeite as recomendações de segurança (distância de 2m);
  • Respeite a placa de acrílico que existe entre você e quem está trabalhando;
  • Use o troco solidário, não vá ficar contando moedinhas;

Retornando à moradia

  • Tire os calçados;
  • Coloque as compras em uma área de transferência (alguns itens podem ficar ali por 12 ou 24 horas numa boa);
  • Lavar as embalagens ou passar um pano com solução alcoólica (álcool 70 líquido ou gel);
  • Antes de higienizar frutas, legumes e verduras, lave bem as mãos;

Extras

  • Busque informações sobre as condições de trabalho, suporte às necessidades básicas e apoio psicológico do supermercado que você frequenta;
  • Se tem dúvidas e precisa de uma lista de regras para a vida, recomendamos apenas uma: Não seja babaca.
  • Trabalhadoras e trabalhadores, façam greve!

[Passo a passo] Ajude a população em situação de rua a se proteger

Kits de higiene passo a passo

  1. Separe e limpe as garrafas plásticas;
  2. Fure as tampas;
  3. Encha em pares (só água + água e sabão, ou detergente);
  4. Identifique o conteúdo (Água / Sabão);
  5. Ligue as garrafas com um barbante;
  6. Entregue ou pendure em locais públicos visíveis.

Fonte: Movimento População de Rua – BAHIA

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén